CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
segunda-feira, 18 de novembro de 2019
Escritórios

A três meses do final do ano já foram ocupados 147.412 m2 de escritórios em Lisboa

17 de outubro de 2019

Entre Janeiro de Setembro, as empresas ocuparam 147.412 m2 de escritórios na região de Lisboa, um volume que se situa 2% acima dos 144.273 m2 tomados em igual período do ano passado.

O Office Flashpoint, divulgado pela consultora JLL, no período em análise, registaram-se 130 operações de ocupação de escritórios na capital portuguesa, das quais 29 dizem respeito a áreas superiores a 1.000 m2, impulsionando, assim, a área média por transacção para os 1.134 m2. Neste período acumulado, a zona 6 (Corredor Oeste) continua a ser a mais activa, também por se tratar da zona onde encontramos a maior taxa de disponibilidade, concentrando 23% do take-up.  A zona 1 (Prime CBD) regista 19%, seguida pelas zonas 3 (Novas áreas de escritórios) e 5 (Parque das Nações), ambas com quotas de 18%. Em termos de procura, foram as empresas de “Serviços a Empresas” (quota de 22%) e as “TMT’s & Utilities” (20%) as mais activas, embora também se evidenciem os sectores de “Consultores e Advogados” e “Serviços Financeiros”, ambos com pesos de 17% do take-up.

Para Mariana Rosa, Head of Office / Logistics Agency & Transaction Management da JLL, “é um balanço muito positivo, pois não só 2018 foi um ano histórico para a ocupação, como o mercado tem que lidar com a falta de oferta num momento em que a procura está mesmo muito ativa. Este ano surgiram apenas cerca de 50.700 m2 de novos escritórios, metade dos quais já ficaram concluídos no 1º semestre e com ocupação a 100%”.

A responsável acredita que, mesmo neste cenário em que a oferta não acompanha o ritmo da procura, a ocupação em 2019 possa situar-se entre 190.000 e 200.000 m2. “Se considerarmos a ocupação média mensal de cerca de 16.500 m2 registada até Setembro, a actividade encerraria 2019 nos 198.000 m2. Fica próximo do valor recorde do ano passado, de 206.000 m2, e muito acima (cerca de 23%) da média dos últimos cinco anos, que se situava nos 159.000 m2. Tudo isto num contexto em que a oferta não consegue dar resposta à procura latente. Assim que começarem a surgir os novos projectos, o mercado vai acelerar e os próximos três anos deverão ser de grande actividade para a ocupação de escritórios”.

No desempenho mensal, Setembro totalizou 11.404 m2 de ocupação, ligeiramente acima (+2%) do desempenho do mês anterior e 32% abaixo do período homólogo, registando um total de 14 operações e uma área média por operação de 815 m2.  A zona 3 captou a maior fatia da actividade (34%), impulsionada pelas ocupações da 360 Imprimir no edifício Visconde de Alvalade, e de uma empresa de IT na Torre Oriente do Colombo, esta última uma das maiores operações do mês e mediada pela JLL.

A zona 1 também registou grande actividade, representando 28% da ocupação do mês de Setembro, influenciada pela maior operação do mês, nomeadamente a ocupação da empresa de coworking, GoldenHub no edifício Mouzinho da Silveira 10. O sector de “TMTs & Utilities” voltou a ser o mais representado este mês, com 34% da área total ocupada, seguida por “Serviços a Empresas”, o segundo sector mais activo no mês, com uma quota de 30% da actividade.

A consultora detém uma quota de 36% da área negociada neste período.

PUB
ARRENDAMENTO
Englobamento obrigatório para rendimentos prediais terá “efeito perverso” no mercado – diz APEMIP
14 de novembro de 2019
PUB
PUB
PUB