CONSTRUÍMOS
NOTÍCIA
sexta-feira, 22 de janeiro de 2021
Actualidade
Construção e obras públicas: Menos insolvências e mais empresas

Construção e obras públicas: Menos insolvências e mais empresas

5 de abril de 2019

O sector da construção e obras públicas foi dos que registou menos insolvências em Março e está entre os que mais criaram empresas., num mês em que se registou uma quebra.

De acordo com a Iberinform, da Crédito y Caución, o mês de Março totalizou 541 insolvências, mais 58 que em 2018. Este aumento soma-se ao registado em Janeiro e totaliza um incremento trimestral de 5,1%. No entanto, esta subida deve-se, em exclusivo, à conclusão de um maior número de processos de insolvência: os 668 de 2018 ascenderam a 893 em 2019 (+33,7%). 

As Declarações de Insolvência Requeridas (DIR) e as Declarações de Insolvência Apresentadas pelas próprias empresas (DIA) tiveram reduções homólogas.  As DIR baixaram de 389 para 306 no primeiro trimestre de 2019 (-21,4 %) e as DIA caíram de 377 para 320 (-15,1%). Os encerramentos com plano de insolvência diminuíram 50%, com 11 planos registados em 2019.

Foram seis os sectores que fecharam o primeiro trimestre de 2019 com menos insolvências: Indústria Extrativa (-71,4%), Eletricidade, Gás e Água (-66,7%), Comércio por Grosso (-10,7%), Outros Serviços (-9,3%), Construção e Obras Públicas (-4,6%) e Comércio de Veículos (-1,8%). Os aumentos mais significativos foram sentidos nas Telecomunicações (100%), Transportes (36,8%) e Indústria Transformadora (32,5%). 

O Barómetro indica ainda que apenas oito distritos, que representam 34,6% do total de insolvências, tiveram variação negativa em relação a 2018. Lisboa e o Porto são os distritos com mais insolvências, 324 e 393 respectivamente. Mas enquanto Lisboa regista uma diminuição de 24,3% face a 2018, o Porto sofre um aumento de 29,3%. As diminuições mais significativas verificaram-se em Vila Real (-56,5%), Évora (- 44,4%) e Guarda (27,8%); os aumentos mais expressivos foram alcançados nos distritos de: Ponta Delgada (66,7%), Bragança (62,5%) e Braga (49,1%). 

Março registou uma quebra na constituição de empresas

Quanto a constituições de empresas, Março esteve em contra ciclo. Se Janeiro deste ano registou um crescimento homólogo de 26% e Fevereiro cresceu 29,7%, o mês de Março apresentou uma diminuição de 2,84%. No total do trimestre foram constituídas 15.756 novas empresas, mais 2.372 que no trimestre homólogo de 2018 (aumento de 17,7%).

Os setores com maior variação positiva foram: Transportes (aumento de 130,9%), Construções e Obras Públicas (+46,2%), Indústria Extractiva (+41,7%), Agricultura, Caça e Pesca (+29,1%), Indústria Transformadora (+ 19,6%) e Comércio de Veículos (+ 15,7%). Todos os sectores tiveram aumentos excepto as Telecomunicações que tiveram variação zero (34 novas empresas em cada ano). 

Lisboa teve o número mais significativo de constituições durante o mês de Março - 4.982 empresas (+9%). O Porto também apresentou um valor elevado, 2.869 novas empresas (+ 19,4%), a que se seguem Setúbal com 1.194 empresas (+23,1%), Braga com 1.189 empresas (+ 21,1%), Faro com 930 empresas (+ 10,3%), Aveiro com 776 empresas (+26,5%) e Leiria com 623 novas empresas (+23,4%). Os restantes distritos somam totais entre 454 e 25 constituições (Horta). 

PUB
TURISMO
Metade dos europeus planeia viajar já este semestre
19 de janeiro de 2021
ARRENDAMENTO
Candidaturas ao apoio às rendas arrancam em 4 de Fevereiro
15 de janeiro de 2021
PUB
PUB
INTERNACIONAL
Bancos da zona euro restringiram concessão de crédito no 4.º trimestre - BCE
19 de janeiro de 2021
PUB