Porta corta-fogo portuguesa vence ‘Red Dot Award: product design’

Não é habitual mas a realidade é que a Porseg, o maior fabricante português de portas de segurança e corta-fogo, acaba de ganhar o ‘Red Dot Award: Product Design’, o mais prestigiado prémio internacional anualmente atribuído na área do design.

A nova porta corta-fogo ‘Plano’, considerada uma das melhores propostas apresentadas a concurso na categoria de design de interiores em 2013.

O projecto, que envolveu intensivamente os diferentes departamentos da empresa, desde a fase de concepção, da responsabilidade dos arquitectos do departamento de I&D, João Oliveira e Isabel Rebello de Andrade, até à fase de produção, foi desenvolvido em tempo recorde de apenas meio ano.

A Porseg estará em Essen, na Alemanha, em 1 de Julho, na gala de entrega dos prémios, que todos os anos costuma reunir os criadores e fabricantes mundiais mais em foco na área do design.

À vista apenas o puxador

O prémio distinguiu a porta metálica de batente com folhas e aros complanares e mecanismos de fecho ocultos, conjugando modernidade e elevada resistência ao fogo. José Guimarães, administrador da Porseg explica que a porta tem “à vista apenas o puxador e barra anti-pânico e, se estiver configurada com componentes específicos, é uma porta que, às aptidões de resistência ao fogo, acrescenta uma elevada capacidade de isolamento sonoro e estanquidade à água”.

As características técnicas e estéticas da inovadora “Plano” não passaram despercebidas aos 37 jurados da competição deste ano, que tiveram de apreciar 4.662 trabalhos, divididos por 19 categorias, submetidos a concurso por 1.865 concorrentes, de 54 países, entre produtores, designers e arquitectos.

Um projecto a pedido do arquitecto Carrilho da Graça

Já em produção, a nova porta corta-fogo da Porseg visou responder, inicialmente, a um pedido do arquitecto Carrilho da Graça para o edifício do Datacenter que a PT tem em construção na Covilhã. Na fase de desenvolvimento de produto e para garantir que o desafio seria superado, a “Plano” foi sujeita aos ensaios mais exigentes no que toca a resistência ao fogo, durabilidade, acústica, permeabilidade ao ar, estanquidade à água, resistência ao vento, forças de manobra, resistência à torção e coeficiente de transmissão térmica. “Em todos estes parâmetros, os resultados foram encorajadores e decidimos avançar com a produção, estando já em fabrico as primeiras 300 unidades”, conclui José Guimarães.

Comentários