As Casas de Madeira são, cada vez mais, primeiras habitações…

28 de Julho de 2015

Pioneira em Portugal, desde 1978 que a Rusticasa se dedica ao desenvolvimento, produção e comercialização de vivendas unifamiliares e refúgios de fim-de-semana em madeira proveniente de florestas organizadas do norte da Europa e Açores.

As centenas de casas construídas pela Rusticasa na Península Ibérica, França, Angola e Venezuela constituem testemunhos da dedicação e da experiência acumulada nos mais de 30 anos de actividade da empresa.

A arquitecta Berta Vilas, responsável Comercial pela Rusticasa, analisa para o Diário Imobiliário o mercado e as suas perspectivas de evolução…

 

Como avalia o mercado em Portugal, em particular a sua evolução nos últimos anos…?

 

A Rusticasa não se limita somente à construção na área onde está localizada, as nossas construções distribuem-se por vários países: Portugal, Espanha, Andorra, França, Angola, Venezuela, etc. Tentamos sempre adaptar as construções de acordo com a legislação existente e as necessidades de cada cliente e localização da construção.

A oferta da Rusticasa não se restringe apenas à construção de moradias em madeira, mas a um leque variado de produtos e soluções onde a madeira é utilizada como matéria-prima na realização dos trabalhos. Esta diversidade de soluções permite à Rusticasa disponibilizar aos seus clientes diferentes produtos como: abrigos de jardim, bungalows, apoios de praia, alpendres, pavilhões, reconstruções, ampliações e revestimentos de fachadas, sendo que, em todos eles, a adaptabilidade está sempre presente conforme o critério e necessidade de cada um.

No mercado português, uma casa em madeira já não simboliza meramente uma habitação de lazer à beira-mar ou no campo; em poucos anos, converteu-se a perceção relativamente a este material, sendo agora considerado em toda a Europa uma forma adequada de construir residências principais, tanto em ambiente urbano como rural, mas sempre pensadas para uma ocupação quotidiana, familiar e moderna.

Nos últimos anos o interesse por parte de quem vai construir casa tem sido crescente e as vendas têm acompanhado essa tendência, mas num ritmo inversamente semelhante ao interesse. Não se trata de uma expansão rápida e descontrolada mas antes de um crescimento lento e sustentado. Nestas três décadas de experiência, a Rusticasa constata que, progressivamente, tem aumentado a receptividade do mercado nacional relativamente às nossas soluções construtivas. Sentimos que o facto de, cada vez mais, os portugueses viajarem pelo mundo fora altera a percepção que as pessoas têm das construções em madeira. Na realidade, nos últimos 5 anos em Portugal, 80% das casas Rusticasa destinaram-se a primeira habitação e a tendência é aumentar.

O mercado tem muitas propostas, quer a nível de preços quer a nível de proveniência dos materiais, por essa razão a certificação das construções Rusticasa é já uma certeza tanto em Portugal como em Espanha e França. Em Portugal, a Rusticasa tem já a Certificação de Qualidade e Ambiente, e a homologação do LNEC (Laboratório Nacional de Engenharia Civil) desde Março de 2012. Em Espanha, a Rusticasa conquistou já o “Sello de Calidad de AITIM” (AITIM – Asociación de Investigación Técnica de las Industrias de la Madera y Corcho), trata-se da entidade espanhola mais importante para construções de Madeira. Em França, as nossas construções têm obtido certificação BBC (Batiment Basse Consommation), ou seja são construções de baixo consumo energético.

Na realidade do mercado português — apesar da crise e da conjuntura mundial — o nosso mercado tem crescido, não tanto como gostaríamos, mas talvez a uma média de 5% ao ano.

 

Quais as principais reticências que os consumidores portugueses colocam a este tipo de produto?

 

No que se refere à procura, distinguem-se vários grupos de pessoas que procuram uma solução em madeira: os que gostam incondicionalmente porque conhecem as vantagens; os que deixaram para trás os preconceitos; os que acham bonito e interessante mas não é para eles; e ainda os que consideram a madeira um material inferior para a construção. O primeiro e segundo grupos estão em crescimento.

As perguntas mais frequentes têm a ver com a legislação para este tipo de construção, o processo camarário, a viabilidade de construção. As pessoas também costumam fazer perguntas relativamente à durabilidade, ao tipo de manutenção que requerem as casas. As dúvidas por parte das pessoas são muitas e diversas mas há que salientar que a primeira pergunta tem a ver com o preço das casas.

 

Entre que valores pode variar o preço de metro quadro de construção nas casas construídas pela Rusticasa?

 

É um pouco difícil obter um preço fixo por m2 pois na Rusticasa tudo é personalizado e à medida daquilo que cada cliente pretende. O valor de uma Rusticasa depende de vários factores de ponderação, além da área de construção, mas para vos dar uma estimativa/ intervalo de valores, conseguimos ter construções entre os 450€ e os 750€ por m2 (tendo por base uma casa de tipologia T3, com 200m2).

Para uma casa de qualidade, pronta a habitar, que cumpra todas as normas europeias e nacionais em vigor, não existe muita diferença no que diz respeito a valores, se compararmos uma Rusticasa e uma construção convencional.

No que diz respeito a preços, podemos dizer que, actualmente, a construção de qualidade construir em madeira ou em alvenaria (construção convencional) apresenta valores muito semelhantes.

Como costumamos dizer na Rusticasa, só podemos comparar o que realmente é comparável! Ou seja, não podemos comparar somente a vertente económica no que diz respeito ao valor em si, mas temos que ter em atenção os aspetos que normalmente não são tidos em conta na avaliação e comparação entre os vários sistemas construtivos tal como a rapidez de construção, por exemplo.

Uma coisa é certa, construir uma casa de madeira Rusticasa compensa em termos de custos pois tem vantagens relacionadas com:

 — o facto de ser uma construção rápida. Pois para o Cliente que está a espera da conclusão da obra, se tiver que pagar renda, quanto menos tempo estiver à espera da casa menos mensalidades irá pagar.

— o facto de ser uma construção com óptimo isolamento térmico; ou seja, a poupança energética é muito significativa.

— a manutenção, pois numa casa Rusticasa a manutenção é apenas necessária para as paredes exteriores.

— o orçamento que a Rusticasa fornece é definitiv; ou seja, não há “surpresas” à medida que a obra vai decorrendo.

 

A Arquitetura e o ‘know-how’ é nacional ou… tudo é importado?

 

A Rusticasa é uma empresa 100% portuguesa e foi pioneira em Portugal na construção em madeira. Desde 1978 que nos dedicamos ao desenvolvimento, produção e comercialização de diversos e diferentes produtos em madeira proveniente de florestas organizadas do norte da Europa e Açores.

Relativamente ao desenvolvimento do projecto, a Rusticasa possui técnicos especializados capazes de desenvolver os projectos mediante as pretensões de cada cliente. Caso o cliente pretenda, pode fazê-lo com uma equipa de arquitectura e engenharia e trazer depois o projeto para ser orçamentado pela Rusticasa.

Todos as nossas construções são feitas de acordo com a legislação de cada país, respeitando sempre as normas e exigências em vigor e, principalmente, de acordo com o Eurocódigo 5 (que regula a nível europeu as construções em madeira). Para além disso, tentamos estar sempre a par das novidades e soluções que vão surgindo no sector da construção em madeira, sendo que contamos com uma equipa de profissionais altamente qualificados e mantemos vários projetos com a Universidade do Minho e Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

 

Quais as vantagens de adquirir uma casa em Madeira?

 

Em parte, já as abordámos anteriormente… São muitas as diferenças entre uma casa de madeira e uma casa em alvenaria. Há em primeiro lugar diferenças sensoriais, as paredes em cimento não tem o conforto e aconchego das paredes em madeira. Isto porque o cimento é frio na temperatura e no toque, a madeira nunca o é; o cimento é húmido, a madeira nunca o é; o cimento não tem cheiro, a madeira tem.

Depois temos o aspecto estético, que é relativo. A apreciação varia de pessoa para pessoa, há diferenças inquestionáveis: a madeira é um material de construção natural porque é renovável e biodegradável. A madeira é um óptimo isolante térmico e acústico, a construção em madeira é rápida e com custos controlados.

Mas há ainda a diferença a nível cultural… Ou seja, uma diferença na cabeça das pessoas que se baseiam em preconceitos antigos da própria sociedade; e, infelizmente, no nosso país, a construção em madeira tem menos aceitação... por enquanto.

Enumerando as vantagens da construção em madeira Rusticasa são as seguintes:   

1. Construção ecológica porque:

    a) Material extraído da natureza que sofre pouca transformação, ou seja, o material que a natureza fornece permanece praticamente intacto no produto final.

    b) Matéria-prima renovável.

    c) Baixíssimo consumo de energia ao longo do processo produtivo.

2. Construção rápida – para construção de uma Rusticasa estimamos uma demora de cerca de 1 mês por cada 100m2 de área de construção.

3. Isolamento térmico – proporcionando um baixo consumo de energia de aquecimento, uma simples salamandra pode ser suficiente para manter a temperatura interior de uma casa no Inverno em qualquer zona do País.

4. Isolamento acústico – mais uma característica intrínseca da madeira, embora esta vantagem seja relativa dado que as nossas construções estão habitualmente situadas em locais sossegados.

5. Saudável, porque a madeira respira filtrando o ar e regula o grau de humidade no interior. É óptimo para quem tem problemas de articulações ou de asma. Saudável também por ser naturalmente relaxante (inexistência de electricidade estática).

6. A estrutura em madeira tem grande resistência em caso de incêndio, muito melhor do que as estruturas de cimento armado ou as estruturas metálicas.

7. Têm uma estrutura antissísmica por natureza. Há vários países que exigem que as construções sejam feitas em madeira em zonas de potencial sísmico elevado (por exemplo no Japão).

8. O orçamento não varia ao longo da obra. É assinado um contrato de empreitada e o valor é fixo, não há derrapagens orçamentais.

9. Outras vantagens mais difíceis de descrever: beleza estética, conforto (só visto), cheiro a madeira constante, fácil de decorar.

10. É sempre possível e até mais fácil ampliar ou modificar a qualquer altura, sempre que o cliente o queira.