Projecto português para as Olimpíadas vence prémio internacional

06 de Dezembro de 2017

O Complexo de Canoagem Slalom e o Pavilhão Desportivo Arena do Futuro, projectados pelo atelier português Focus Group, para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro 2016, no Brasil, recebeu dois prémios internacionais - Prémio IAKS / IOC destinados a distinguir instalações desportivas, de lazer e recreativas e uma Distinção IAKS / IPC.

O Complexo de Canoagem Slalom recebeu o GOLD IAKS / IOC e o Pavilhão Desportivo Arena do Futuro recebeu o SILVER IAKS / IOC e a Distinção IAKS / IPC.

O Prémio IAKS / IOC e a Distinção IAKS / IPC, atribuídos pela “International Association for Sports and Leisure Facilities” – em parceria com o Comité Olímpico internacional e o Comité Paralímpico Internacional - são prémios internacionais destinados a distinguir instalações desportivas, de lazer e recreativas. Desde 1987 que, todos os anos, o Prémio IAKS / IOC reconhece instalações desportivas e de lazer de design e funcionalidade exemplares e também atribui a Distinção IAKS / IPC para instalações desportivas e de lazer adequadas para pessoas com deficiência.

A gala de atribuição dos prémios realizou-se em novembro, e atribuiu prémios a projectos de 12 países diferentes. Composto por personalidades internacionais, o júri do Prémio IAKS / IOC de 2017 distinguiu quatro instalações desportivas com ouro, sete com prata e cinco com bronze. A Distinção IAKS / IPC para instalações desportivas acessíveis foi atribuída a seis participantes. Este ano, 72 projectos de origem mundial estiveram em apreciação e os vencedores deste ano representam os grandes eventos internacionais desportivos em Singapura e no Brasil, e alguns pequenos, mas socialmente significativos skateparks na Palestina e em Espanha.

O Focus Group em consórcio com um atelier brasileiro de arquitectura, elaborou o Masterplan e todos os projectos do Complexo Desportivo de Deodoro para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016. Este complexo foi o segundo centro olímpico em número de modalidades e de afluência de público depois do Parque Olímpico da Barra da Tijuca. O consórcio teve a responsabilidade de definir os espaços públicos e os equipamentos a serem construídos para a realização dos Jogos Olímpicos em 2016, bem como definir a situação de legado a ser desenvolvida após a realização dos jogos. Cercada de espaços verdes, esta região foi palco de sete competições olímpicas (Hipismo, Ciclismo - Mountain Bike e BMX, Pentatlo Moderno, Tiro desportivo, Canoagem - Slalom, Hóquei e Esgrima) e três Paralímpicas (Tiro desportivo, Hipismo e Esgrima em Cadeira de Rodas).