FOTOGRAFIA com ARTE: Cabo Espichel

11 de Setembro de 2017

A estrutura que hoje observamos resulta de uma vasta intervenção setecentista, na qual o próprio rei D. Pedro II colocou grande empenho. O culto a Nossa Senhora do Cabo e as romarias com os círios, que atraíam crentes de diversos locais ao Cabo Espichel, ganhou importância ao longo dos tempos, intensificando-se, naturalmente, entre o final do século XVII e o início da centúria seguinte.

As habitações para os peregrinos e romeiros existiam já no século XVIII, mas dispostas sem critério. As obras iniciadas em Setecentos vieram, por assim dizer, ordenar um espaço até então algo ambíguo. A intervenção teve início pela igreja, em 1701. É possível que estivesse concluída em 1707.

As duas fiadas de habitações para os romeiros foram iniciadas em 1715, mas a sua forma definitiva ocorreu apenas entre 1745 e 1760. Criando duas linhas que conduzem à igreja, elas acentuam a cenografia do templo, ao mesmo tempo que realçam um jogo de vãos, de cheios e vazios, de claro-escuro através da arcaria e janelas do piso superior, numa arquitectura saloia, mas de grande interesse e monumentalidade.

in: DGPC. Fotografias de Jorge Maio