Portugal: Investimento imobiliário aumentou 35% no 1.º semestre

09 de Novembro de 2018

Nos primeiros seis meses do ano, o investimento imobiliário em Portugal subiu 35%. A informação é veiculada no mais recente estudo da consultora imobiliária internacional Savills.

Durante o primeiro semestre do ano, o volume total de investimento no imobiliário na Europa ultrapassou os 97 mil milhões de euros. Embora esteja 5% abaixo do volume de negócios em igual período de 2017, mantém-se 42% acima da média dos últimos 10 anos. A Holanda e a Polónia assumiram especial destaque, tendo registado um crescimento anual de 176% e 100% na actividade de investimento respectivamente, seguidas pela Irlanda (94%) e Portugal (35%) — refere a consultora.

A participação nos principais mercados europeus permanece inalterada, representando ainda 65% do volume total. Embora os volumes de investimento do primeiro semestre de 2018 estejam ligeiramente abaixo relativamente a 2017 no Reino Unido (-9%) e na Alemanha (-7%), na França aumentaram 27% comparativamente com o primeiro semestre de 2017 devido às eleições presidenciais. Os desenvolvimentos urbanos a nível de infraestruturas necessários para o projecto Grand Paris e para os Jogos Olímpicos de 2024, assim como um panorama político mais favorável, são sinais positivos que estão a atrair investidores para França, mais particularmente para a região de Paris.

Escritórios em alta

A procura de investimentos no sector de escritórios refere o estudos da Savills — “mantém-se alta, alicerçada por fortes indicadores: as taxas de disponibilidade de escritórios mantêm-se extremamente baixas em todas as principais cidades europeias e o volume de actividade nos setores de investimento de solo ainda é insuficiente para corresponder à actual procura”.

Embora as yields dos escritórios em zonas prime CBD mostrem sinais de estabilização, as yields em zonas CBD secundárias e as prime em zonas não CBD permanecem sob forte pressão em baixa, resultando num aumento de preços. Em média, em toda a Europa, movimentaram-se 22 e 31 pontos base respectivamente, resultando numa redução dos desvios de rendimentos. A yield média para escritórios não CBD está actualmente nos 4.9%, abaixo da média de escritórios em zonas CBD secundárias (5%), refletindo a forte procura dos investidores por atcivos de primeira linha, também fora da zona CBD.

Europa continua a atrair capitais de outros continentes

A Europa ainda atrai capital estrangeiro, o qual correspondeu a metade do volume total, mantendo-se em linha com a média dos últimos 5 anos. No entanto, o investimento de origem estrangeira durante o primeiro semestre deste ano proveio principalmente de países europeus, enquanto os investimentos americanos e asiáticos na Europa diminuíram em relação ao ano transacto. O capital americano está a afastar-se progressivamente de estratégias oportunistas, para se focar em estratégias ‘core’ - refere o estudo. A diminuição da entrada de capital asiático deve-se essencialmente “à restrição do governo chinês aos investimentos externos enquanto, por outro lado, se mantém o interesse por parte de investidores da Coreia e Singapura”.

Os escritórios continuarão a ser o sector preferencial na Europa nos próximos 12 meses, embora a procura dos investidores por activos alternativos e de logística continue a aumentar, de acordo com a Savills.

Marcus Lemli, Director de Investimento Europeu da Savills, ajuda a compreender o momento que o mercado vive: “Estamos a assistir a uma desaceleração da dinâmica de mercado na Europa mas, ao mesmo tempo, os indicadores permanecem positivos apesar dos riscos políticos. Assim, acreditamos que o ciclo actual pode manter-se durante algum tempo. O interesse dos investidores internacionais e domésticos no sector imobiliário europeu mantém-se elevado e esperamos que o volume de investimento comercial em 2018 esteja amplamente em consonância com o ano anterior.”