OE2018: economia precisa de mais investimento público

12 de Outubro de 2017

Governo tem de reassumir o compromisso com a retoma do investimento público. “Esta é uma prioridade consensualmente reconhecida, mas que está ainda por implementar, sendo que Portugal é, actualmente, o País com menor peso do investimento público no PIB, de entre todas as economias avançadas” – a denúncia é feita hoje pela AICCOPN – Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas perante as últimas indicações acerca do processo de negociação do Orçamento do Estado para 2018.

A Associação recorda que, no OE’2017, foi assumido um crescimento de 22% para o investimento público em 2017, reconhecendo-se a necessidade urgente de recuperar de mínimos históricos de 30 anos. Um ano depois, verifica-se que, não só se estará a apontar para uma execução relativa a 2017 que se vai traduzir numa quebra de 23%, apenas 3.244 milhões, como se prevê uma dotação orçamental para 2018, que resulta numa redução orçamental de 10,2%, para 3.754 milhões de euros.

 

Aplicação prática

 

Reis Campos, Presidente da AICCOPN, refere que “a recente retoma do investimento privado, alicerçada no investimento em imobiliário, no interesse dos investidores e no bom momento que o País atravessa, em domínios como o turismo, tem permitido compensar a quebra do investimento público, mas esta é uma realidade conjuntural e, por isso, de natureza temporária, pelo que o crescimento económico não pode estar exclusivamente dependente destes factores.”

Para o dirigente, “a discussão política em torno da necessidade de um planeamento estratégico do investimento a fazer até 2030, o reconhecimento da necessidade de uma nova política da habitação com uma visão global e integrada, ou o enfoque em domínios estratégicos como a Reabilitação Urbana, são desenvolvimentos positivos, mas têm que ter uma aplicação prática. É necessário começar a materializar estas medidas, as quais, necessariamente têm de ser acompanhadas pelo necessário investimento público.